terça-feira, 17 de abril de 2012

Fórmula Um em Shanghai

Foi um final de semana diferente. Pela primeira vez assisti, in locco, uma corrida de Fórmula Um: o GP de Shanghai, aqui na China, 3ª prova da temporada 2012.  

Na sexta-feira à noite saímos de Beijing e após uma hora de atraso e cerca de duas horas de voo chegamos a Shanghai 

Sábado acordamos cedo e depois de um café da manhã reforçado no hotel fomos todos – éramos 13 – para o autódromo. Um percurso de aproximadamente uma hora, por causa do trânsito e também porque o circuito fica afastado do centro, no distrito de Jiading. O local lembra a Barra da Tijuca de tempos atrás. Muitas construções – prédios altíssimos – e muita área ainda para ser ocupada. 

O Autódromo Internacional de Shanghai é simples e bonito. Inaugurado em 2004, foi construído sobre um pântano, numa obra que durou 18 meses. Ano passado, alguns pontos do circuito tiveram que ser refeitos, porque o solo estava afundando. Ficamos no setor H, bem na grande reta. Ali os carros chegam a alcançar 315 quilômetros por hora. Uma loucura! Como também é uma loucura o barulho ensurdecedor que os carros fazem. Quando o primeiro entrou na pista, quase ficamos surdos. Depois foram dois, três, quatro e mais e mais carros. Não dá pra falar com que está do lado. Não se ouve nada, ou melhor, só se ouve o motor dos carros. No domingo já fomos preparados, com tampões para os ouvidos. Que alívio!


No sábado, dia do treino classificatório, fomos quase todos vestidos com as camisas de seus respectivos times. Eu, Amanda e Gigi fomos de Vasco. A grande maioria era Fluminense: Tuninho, Fernando, Cris, Melissa, Fernanda, Bezerra, Neide, Victória e João Victor. O solitário era o Costa, flamenguista, que não foi de camisa rubro-negra: estava de Ferrari.

Vascaínas e tricolores.

Democracia em família.


Saímos do treino um pouco decepcionados porque os dois únicos brasileiros da categoria não conseguiram uma boa classificação: Bruno Senna, da Williams, largou em 14º e Felipe Massa, da Ferrari, em 12º.

Bruno Senna no treino de sábado...

...e Felipe Massa. 

No domingo nosso “uniforme” mudou. Fomos todos vestidos de Brasil. Antes da corrida começar, caminhamos até a entrada principal do autódromo, onde ficam os stands de venda de alguns patrocinadores. No caminho viramos atração. Também, era só avistar um brasileiro para a “bagunça” ficar completa. E olha que eram muitos. Mas tiramos fotos com ingleses, chineses, mexicanos e um montão de gente. Nossa alegria fazia com que as pessoas chegassem para pedir uma foto. Como sempre, entramos no clima!

Acelera Brasil!!!

Orgulho verde e amarelo, seja aonde for. 

Na ponta da bandeira do chinês havia uma bandeira do Brasil. Mas o cara não entendeu nada quando pedimos pra tirar uma foto. Será que ele não "percebeu" que éramos brasileiros?

Esses eram ingleses.

Essa era chinesa.

Essas eram do Fã Clube do Felipe Massa.

Stands de venda de produtos oficiais. Localizado na entrada principal do autódromo.

Carro da Mercedes, a pole position da corrida e que acabou vencendo também a prova.

O "hairpin" ao final do retão.

 Ficamos nessa arquibancada da direita, mais lá na frente.



Pouco antes da corrida começar.


A corrida é um show à parte. Tudo bem que não existe mais aquela emoção de anos atrás, quando tínhamos Ayrton Senna, Alain Prost, Gilles Villeneuve, Nélson Piquet entre tantas outras “feras” da Fórmula 1. Temos ainda Michael Schumacher, mas ele parou logo, com problemas no carro. Tivemos o gostinho de ver Felipe Massa na liderança por pouquíssimo tempo e ver também o esforço de Bruno Senna pra se manter entre os dez primeiros.

Bem na nossa frente ocorreram algumas ultrapassagens, como a de Alonso sobre Massa. No final do retão, o “hairpin” – uma curva de mais ou menos 180°, que lembra a cabeça de um grampo de cabelo (hairpin) – também pertinho da gente, não faltou emoção. Teve carro se tocando, saindo da pista, como aconteceu numa “escapada” de Bruno Senna, que logo voltou ao traçado.


Amanda e Gigi atentas.


Lindas!


Momento em que Fernando Alonso ultrapassou Felipe Massa.

Aqui, Massa perseguido por Lewis Hamilton.

No final não comemoramos uma vitória brasileira, o que não acontece há muito tempo, mas saímos felizes com a oportunidade de curtir uma corrida de Fórmula 1. Bruno Senna terminou em 7º e Felipe Massa em 13º. A vitória foi do alemão Nico Rosberg, da Mercedes, a primeira dele na categoria. O alemão nunca vai esquecer esse dia, assim como nós que, aqui do outro lado do mundo, pela primeira vez, curtimos tão de pertinho as emoções da categoria mais badalada do automobilismo mundial! Vruuuuuuuuuuuuummmmmmmmmmm!!!!

O alemão Nico Rosberg, vencedor da prova, acenando para as arquibancadas.

O banho de champanhe, um pouco longe.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário